Principal               

Quem foi

Biografia

Romaria

Localização

Bibliografia

Galeria de fotos

Possíveis Milagres

Comissão pró-canonização

100 anos

Cartas

Entrevista

Testemunhos / Homenagens

Processo Canonização

 

Equipes da Romaria

Cartas

O pensamento de Monsenhor João pode ser percebido através do conteúdo de seus cartas. Abaixo seguem várias cartas enviadas às mais diversas pessoas.

 

Monsenhor expressa seu pensamento através de cartas

09/05/1983— Carta enviada aos sobrinhos Guilherme e Gema

             ...Minha saúde, graças a Deus, é boa e me permite trabalhar bastante. Hoje em dia há muito recusro para quem quer saúde e longa vida. O grande mal é que muitos não querem fazer e até fazem tudo para encurtar a vida que já bastante curta!

Viver o mais possível para fazer o bem, amontoar riquezas para o céu e salvar muitas almas é um ideal digno de todos os nossos esforços e desejos.

             O esgotamento é uma doença muito freqüente, é necessário combatê-la em primeiro lugar com uma grande confiança em Deus, no medida e em si mesmo. Combater idéias deprimentes, alimentar pensamentos positivos, alegres , otimistas: ‘Cantar, rir e assobiar’. As idéias fixas de chegar a uma idade avançada de que não se tenha nenhuma doença grave e de que vai se ter um futuro risonho nos faz muito bem. Nós temos uma grande força interior que não conhecemos. É a força de nossa mente. Duas pessoas que tem a mesma doença, que estão em tratamento com o mesmo médico, tem resultados diferentes, dependendo de seu estado de espírito. Aquele que confia no médico melhora mais depressa. Eu digo a todos: “quando surge algum problema, recorramos  à oração feita com humildade, confiança e perseverança que  Deus ajudará a alcançar o que se pede. As palavras de Jesus: ‘pedi e recebereis’ estão sempre valendo. Mas é preciso pedir com muita fé, assim como o paciente deve acreditar no médico, quem pede a Deus deve acreditar piamente que será ajudado’”

 

23/07/1985 — Carta enviada á prima Judith

             ... Por algum tempo, por recomendação médica, deixo as visitas às capelas. Gosto imensamente do meu ministério. Mesmo ficando em casa posso ser útil para todos os que me procuram. Na minha juventude nunca teria sonhado poder chegar a esta idade com tão boa disposição para o trabalho. No dia 12 de agosto farei 78 anos. Como devo ser grato a Nosso Senhor por tanta bondade! Sinto muito que o Pe Gregório e o Vitório tenham sofrido tanto.

             Espero e desejo que se recuperem o quanto antes. Admiro sua disponibilidade para servir o próximo. A senhora está profundamente convencida que todo o bem que fazemos aos outros é a Cristo que o fazermos. Se esta verdade fosse bem conhecida haveria muito mais caridade para com todos. O que torna a vida dura na família e na sociedade é a falta de afeto, a frieza, a brutalidade, a falta de respeito e de delicadeza, a incompreensão, a grosseria e a falta de um sorriso.

             Pensemos que cada um tem cruzes o suficiente para carregar. Da nossa parte procuremos aliviar o próximo. Quando é possível, dar-lhe alegria e evitar tudo o que possa fazer sofrer. Saber agradar a todos quanto é possível é por em prática o mandamento divino: ‘Amai-vos uns aos outros assim como eu vos amei’. A ordenação do Leonardo fou uma das maiores alegrias da paróquia,...é o 14 filho da paróquia, elevado ao sacerdócio. O primeiro foi Monsenhor Augusto Dalvit, em fins de 1947. Agora estamos ainda atravessando uma época de pouco fervor. De momento, a paróquia tem poucos seminaristas. Muitos porém estão se preparando. O mundo tem atrativos demais. É preciso que o sacerdócio apresente atrativos superiores, assim, que o jovem escolha a parte melhor. Diz um grande escritor francês: ‘Se o sacerdócio fosse conhecido, haveria Padres demais...’. Eu, de minha parte, estou tentando fazer o possível para que o sacerdócio seja sempre mais conhecido.

18/10/1985 — Carta enviada à sobrinha Catharina

             “...Deus quer ser muito amado por nós. E isto para nós é grandessíssima honra, pios ele não precisa de ninguém e se abaixa até nós para pedir o nosso coração. São Paulo diz: “Jesus morreu por mim, para que viva para ele”. Que lindo programa de vida! È bom que nos perguntemos com sinceridade: “Eu até hoje vivi para Jesus? “Deus não pede conta do resultado. Ele quer tão somente a nossa boa vontade. Digo ‘boa’ porque pode haver vontade do preguiçoso que só diz e nada faz.

             Voce está de parabéns! E por que? Porque sempre trabalhou com sinceridade e entusiamo. O resultado não pode faltar. Pouco importa se o resultado aparece agora ou mais tarde, ou aqui ou em em outro lugar. O que importa é que nosso Senhor esteja contente conosco. Ser Santo não é assombrar o mundo com milagres e o obras admiráveis, é tão somente fazer a vontade de Deus. Disse Jesus: ‘Vós sereis meus amigos se fizerdes o que vos ordeno’. Desejemos unicamente agradar ao Nosso Senhor”.

11/11/1981 — Carta enviada à Dona Gema Scartazzini, ex-paroquiana

             “Gosto de ajudar a todos. Mas principalmente àqueles que durante muito tempo foram meus paroquianos e me fizeram grande bem. Rezo todos os dias nas suas intenções e, quando quiser alguma benção, não tenha receio de a pedir, e nada me deve por isso”.

             Espero que tudo esteja melhorando e coloquemos nossa confiança na oração feita com humildade, confiança e perseverança. Diz o evangelho: “Procurai primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e o resto vos será dado por acréscimo”. Desejamos de todo coração, amar muito a Nosso Senhor e estejamos tranqüilos que ele cuidará de nós.”