Todos os anos, no primeiro domingo de janeiro, é realizada a Romaria Vocacional.

Principal               

Quem foi

Biografia

Romaria

Localização

Bibliografia

Galeria de fotos

Possíveis Milagres

Comissão pró-canonização

100 anos

Cartas

Entrevista

Testemunhos / Homenagens

Processo Canonização

 

Equipes da Romaria

   Monsenhor João Benvegnu, um Padre Santo

Caixa de texto: Entre tantos Sacerdotes de sobrenome Benvegnù, Monsenhor João é o mais famoso. Já foram publicadas três biografias em português e uma em italiano: A primeira, de Mons. Augusto Dalvit; a segunda, obra de um grupo de paroquianos; a terceira, obra de um grupo de admiradores da obra do Monsenhor; a quarta, obra da professora Líbera Rossi; biografias de títulos muito significativos: "João era o seu Nome", "Um homem que amou a todos" , "Um homem a frente de seu tempo" e "Don Giovani, um Santo Taiboner in Brasile".

Sem nenhuma hesitação, lembra-nos a S. João Maria Vianney, melhor conhecido como Cura D'ars. Este Sacerdote,simples e cordial foi pároco de São Domingos do Sul-RS-Brasil, de 1935 até sua morte, em 3 de janeiro de 1986, 50 anos de intensa vida pastoral. Monsenhor Augusto Dalvit, primeiro sacerdote ordenado em São Domingos do Sul, recorda assim: "Só Deus sabe o que reserva a Monsenhor João Benvegnù. Por hora de uma coisa estamos certos: ele foi um homem de Deus, um Sacerdote justo, um servo fiel, um homem de profunda vida de pregação, um amante apaixonado de Jesus Cristo, um pastor totalmente dedicado ao seu rebanho, um homem de fé que cultivava a presença constante de Deus."
     Todo ano os paroquianos de São Domingos do Sul, no primeiro domingo
de janeiro, se encontram para uma "Romaria", peregrinação até o
túmulo do seu santo pároco. 
      
      A coleta de informações para o processo de beatificação começou em 
26/09/2009, Através da nomeação de uma comissão Pró-Canonização.

       No dia 7 de Fevereiro de 2010 foi encaminhado a dom Ercílio Simon um         documento solicitando o início do processo de beatificação. Atualmente existe uma comissão que busca coletar informações a respeito da vida de Monsenhor João Benvegnu e sobre possíveis graças recebidas pelos fiéis.


     A Canção do Monsenhor!

 Elisio Finato, Parente de Monsenhor e Ex-seminarista, fez um estudo sobre uma canção que era cantada por Monsenhor João em quase todas os finais de missas. Monsenhor era devoto de Nossa Senhora e a exaltava sempre que podia.

Palavras de Elisio :

“ Não sei se comentei contigo, mas há uns dois anos, um dia na roça, plantando milho, uns dois meses  depois da viagem a Taibon(2008), em que cantamos e ninguém lá conhecia esse canto, cheguei à conclusão que o Monsenhor  não falou a verdade. 
               Depois da viagem à Itália e à Terra Santa, em 1957, ele começou a difundir esse canto, principalmente, ao final da Missa em honra  a Nª Srª Rainha da Paz, todo dia primeiro do ano, lá no Santuário. Lembro bem; ao final da Missa havia a procissão que dava a volta, passando na frente da casa do Angelo Cipriani, passava rente o campo de futebol, tomava a direção do Santuário e reentrava na igreja. Aí, o Monsenhor entoava esse canto e fazia todo mundo cantar o refrão. Ele ia puxando estrofe após estrofe, enquanto o gostoso cheiro de churrasco assado entrava pelas janelas. E ele lá vibrando e cantando. Ele gostava de cantar.
                Minha conclusão: O verdadeiro autor desse canto é ele, o Monsenhor. O canto tem a cara dele e a história que ele inventou é devido à modéstia dele. Pensemos juntos: na viagem de navio, o que ele ficaria fazendo o tempo todo, possivelmente sozinho? Ele, de batina preta, certamente lá de vez em quando, dava uma volta pelo convés para apreciar o mar e o céu e se distrair um pouco. A maior parte do tempo certamente ficava no seu quartinho, ou na capela, rezando, lendo, cantando, cantarolando, bolando letras e melodias sacras.  Ao voltar foi fácil alegar que aprendeu na Itália; quem iria lá verificar?  Estou convicto de que é obra dele, o canto tem a cara dele. E para mim é uma das mais vivas lembranças que guardo dele com carinho; gosto de cantar este canto, em qualquer lugar”.

IN TERRA D’ORIENTE- ( autoria atribuída ao Mons. João)
A letra original está em italiano. Abaixo, segue a tradução.

1- In terra d’Oriente, viveva Maria,
    regale fanciulla, Puríssima e Pia.
 
    /:Ave, Ave, Ave Maria :/
 
  “Em terras do oriente, vivia Maria,
    real Menina, puríssima e piedosa”
    
2 – In povera casa, viveva nascosta,
      la piena di grazia, di Dio la sposa.
  
     “Em casa pobre, vivia escondida,
     a plena de graça, noiva de Deus”

 3 -  Un di Gabriele, dal cielo venuto,
      di Dio Potente reforgi il saluto.

      “Um dia Gabriel, vindo do céu,
    de Deus Poderoso, transmite a Saudação”
 
4 – Ó salve il Signore, Ó Donna, é con te;
      di Dio sarai Madre, che grande viver.

      “Ó salve o Senhor, Ó Mulher, ele está contigo,
    de Deus serás Mãe,  que grande honra”


O pároco de São Domingo do Sul, padre Dionísio Benvegnu, fez um hino em homenagem ao Monsenhor, que certamente passará a fazer parte da devoção popular, bem como do processo de beatificação.

      Hino ao Monsenhor João Benvegnu

Música do folclore italiano Va L’alpin
Letra: Pe. Dionísio Benvegnú

Padre João, a tua vida,
é exemplo para nós,
/:ensina as virtudes,
que soubeste conquistar:/

Teu amor à Eucaristia,
transbordava no teu ser,
/: inspira rumo certo,
nos caminhos do Senhor:/

Otimismo e acolhida,
guiaram teu agir,
/: sejam luz em nossa vida,
e coragem na missão:/

Promoveste o bem de todos,
animado pelo amor,
/: aprendamos a lição, 
de vivermos como irmãos:/

Padre João, teu sacerdócio,
promoveu as vocações,
/: orienta nossos jovens,
a seguir os passos teus:/